Um ano de Canada!

Hoje eu completo um ano de Canada.

Nessa mesma data no ano passado eu cheguei em Toronto morta de cansada por volta das 4 da manhã. Acho que nem tava muito frio. Fui recebida pelo transfer que levou a mim e mais um brasileiro cada um até sua hostfamily, que seria minha casa nas proximas semanas. Na casa fui recebida pela host mom em pleno silencio, tambem era domingo de Páscoa aquela hora da amanha! Depois de descermos as minhas 2 super malonas pro basement ela me mostrou meu quarto e me deixou descansar.

Assim foram as minhas primeiras horas em 31 de março de 2013 em Toronto. Hoje parece que foi a tanto tempo atrás. Mas ao mesmo toda vez que lembro de alguma coisa que aconteceu no brasil parece que foi só a poucos meses atrás e preciso me lembrar que na verdade já faz mais de um ano…

Ano passado foi incrível! Tenho um milhão de boas lembranças. Viajei e curti bastante meu intercambio. Fui pra Niagara, Ottawa, Mont Tremblant e 2 vezes pra Quebec. Fiz muitos amigos que me fazem falta. Tive grandes companheiros de aventura, mas que pouco a pouco foram voltando para suas cidades…

Ca estou eu prestes a ver as flores nascerem mais uma vez na primavera canadense, que apesar do todos os anseios parece que está sempre atrasada. O ciclo que se repete. Um ano com as 4 estações bem definidas. Mas esse ano vai ser diferente. Vai ser um ano de muito estudo (3 semestres em um ano é loucura loucura loucura!). As prioridades são outras e os amigos não vão embora dessa vez. É tudo igual e ao mesmo tempo novo.

Um ano de Canada. I made it! Um ano de muitas felicidades, mas é só o começo.

Ela

Anúncios

Vou sentir saudade de que?

Lendo mais um post legal da Dea do Frozen Bird resolvi fazer o meu post sobre o tema que ela soltou no ar. Primeiro de tudo o post dela cita a lista do que uma gringa vai sentir falta do Brasil. A lista tem coisas legais como padarias, chopp, vendedores ambulantes, praia, falar português etc. Daí a Dea fez a lista dela e eu estou aqui refletindo na minha…

1- certas comidas

Pra não fazer vários tópicos de uma comida só vou colocar tudo junto. Pastel, brigadeiro, pão de queijo, pão francês, mortadela (me veio agora na cabeça e eu simplesmente acho que não tem lá), o Mc Melt do Mc Donald’s, risolis, churrasco… E por hora é o que eu consigo pensar. Não sei quantas dessas da pra achar por lá nem que seja genérico. Já feijão não vou sentir falta =)

2- vendedores ambulantes e camelôs

Sim, eu já tinha pensado nisso. Tem coisas que eu automaticamente penso em comprar no camelô. Fone de ouvido? Camelô! Capa pra celular? Camelô! Canga de praia? Vendedor ambulante de praia! Óculos de réveillon com o ano seguinte? Vendedor ambulante de réveillon! Prendedor de cabelo (piranhas, tic tacs etc)? Camelô! Simples assim. Eles conseguem ser bastante convenientes (e inconvenientes as vezes rs). Lembro de quando estava em Vancouver e entrei numa loja pra comprar coisa de cabelo. Foi estranho. Foi caro.

Como vou viver sem ter ambulantes vendendo guarda chuva antes que a primeira gota acerte o chão em locais estratégicos como saídas de metrô e galerias por todo lado? Isso não é vida!

Quando eu pegava trem eu vi eles vendendo cada coisa! Descascador de batatas cenouras etc; sorvete; caneta-lanterna-chaveiro; balas; bebidas (água, suco, mate e acho que cerveja tb); brinquedo e mais uma infinidade de coisas. A coisa mais legal era um copo de plastico que ele escrevia o nome na hora! Isso mesmo, com o trem balançando e tudo!

3- paisagem

Uma vez cheguei a conclusão que não me sentiria bem morando em um lugar plano. O Rio é tão cheio de morros e montanhas que fazem parte da paisagem que nem consigo imaginar o que é andar por aí sem ter morros no caminho. Pão de Açúcar, Corcovado, Morro Dois Irmãos, Macico da Pedra Branca e outros. Todos fazem parte do meu dia a dia. Acho muito estranho lugares planos… Ainda bem que Vancouver tinha montanhas =)

Paisagem montanhosa do Rio de Janeiro

4- Paisagem

Sim, de novo. Mas dessa vez é água. Não sou fã de praia, mas com certeza eu acostumei com ter ela ali no alcance. Lembro quando eu pegava o ônibus e via todo dia o Aterro do Flamengo, Praia de Botafogo, Praia de Copacabana e as praias de Ipanema e Leblon pra chegar no estágio. Era lindo. Deve ser estranho morar num lugar sem praia ou sem água por perto. Tudo bem que Montréal é uma ilha e parece que Quebec como um todo é cheia de rios e lagos, mas não deve ser a mesma coisa

5- Falar português

Fiquei pensando nesse tópico que tanto a gringa quanto a Dea apontaram (por motivos diferentes) e acho que realmente esse momento deve chegar um dia. Quando todo aquele estresse de não conseguir me expressar direito me pegar acho vai acontecer. Não pelo português em si, mas pelo trabalho mental que é se expressar numa outra língua que não a sua nativa. Até tudo sair com naturalidade deve demorar um pouco, tipo anos. Saber falar outra língua é tão fácil comparado a saber as nuances dessa língua. Saber gírias, expressões, aglutinações, vocabulário apropriado para cada grupo social (amigos, trabalho, avós, crianças, desconhecidos), trocadilhos e duplo sentido, eufemismos, o peso de cada palavra (‘meleca’ é diferente de ‘merda’ que é diferente de ‘porra’. Acho esse ultimo mais chocante que o segundo, por exemplo). Sem contar regionalismos. É tanta coisa pra se aprender que se eu ficar pensando assim bate até um desespero. Vamos mudar de assunto.

6- coisas tipicas

De verdade eu ainda não sei o que cai dentro desse tópico, mas acho que morando muito tempo fora eu vou acabar descobrindo. Talvez até coisas que eu não goste aqui em sã consciencia eu posso me pegar sentindo falta um dia. Vi em algum blog alguem falando que sentia falta até do programa do Luciano Huk. por exemplo. rs

Já pensou no que você vai sentir falta?

Ela.