Não existe paraiso – um pouco da vida e das dificuldades de viver aqui

O bloguinho vai ficando abandonado… Mas ele não morreu!

Outro dia perguntaram num grupo no facebook quais as dificildades que a gente ainda encontra depois aque chega aqui ou menos depois de anos aqui. Muita gente ainda acha que aqui é o paraiso e que depois que o visto sai os problemas acabaram. Bom, choveu respostas e depois eu vi que virou assunto no Montreal na real com o nome de Dark side da imigraçao. O audio é bem longo então fui ouvindo picadinho durante a semana e eu gostaria de dar meu ver no asssunto tambem. Eles falaram de muitas coisas pertinetes e me fez pensar (só nao pensei mais pq as coisas estam tensas no meu dia-a-dia rs).

Acho que medo do inverno e saudade da familia é a primeira coisa que todo mundo pensa. Mas o que a galera mais sente, pelo menos de acordo com o que eu vi no post e com o Montreal na Real é o idioma, integraçao, idioma, trabalho, idioma. Sim eu falei idioma 3 vezes porque é o que pesa. Realmente nao saber se expressar é frustante e a razao pela qual eu nao sou mais fluente em frances depois de quase 3 anos aqui. Montreal é bem bilingue, no sentido que quase sempre consigo ser atendida em ingles em diversas situacoes, que para evitar a frustracao e o bloqueio do frances, eu acabo sempre caindo no ingles. My bad. Mas não recomendo. Vindo para o Quebec quero reforcar que é essencial o frances. Eu me viro bem porque meu listening nao esta ruim e eu consigo acompanhar o que esta acontecem mesmo que eu perca pedaco das frases. Na verdade, apesar de nao me sentir segura para falar frances, em diversas situaçoes eu percebi que estou acima da media de mt gente que chega aqui quando se trata de entender. Por outro lado, estou bem abaixo quando se trata de sair falando sem medo de tentar. E no ingles eu me sinto confortavel e me viro bem.

O que eu sinto mais mesmo é a questao de nao pertencer, nao entender, nao saber das coisas daqui. Depois que arrumei um TV eu ainda continuo nos canais em ingles porque eles fazem sentido pra mim (ate porque tem parte da programacao america como algumas series que eu gosto). Nos canais em frances eu não sei quem eles são, nao sei direito do que eles estao falando, as piadas fazem sentido e é um esforco muito maior a ser feito para poder acompanhar. Até meu namorado que é daqui não curte rss ai fica dificil ne xD Mas eu estava me sentindo muito isolada no fim do ano passado. Ainda nao sinto que fiz amigos aqui, daqui que ficaram aqui. Depois do meu primeiro ano eu decide que evitaram me apegar a pessoas que vao embora. Cansei de dar tchau e ficar pra tras. Fiz muito isso no primeiro ano quando estava de intercambio. Muita gente vem pra ca e fica 1, 2 , 3 meses e vai embora, os que ficam mais ficam 6 e eu que fica ficar 10 meses estou aqui ate hoje. No fim daquele ano eu nao tinha mais amigos. Foi triste foi chato. Foi uma galera que me fez falta. Depois eu comecei o college e eu sabia que teria aquelas pessoas por pelo menos 3 anos. Mas ja no inicio do ano passado eu ja comecei a perceber que nem todo mundo quer ficar. Tem gente que se forma e vai embora, volta pra casa ou quer ir pra outra cidade ou pais. Comecei a sentir que Montreal é uma cidade transitoria. Quem anda no meio de estudantes sabe que é um publico que se forma e vai embora. Tem gente de cidades vizinhas ou de outras provincias que so vem aqui para estudar mesmo e volta depois do curso. E mesmo dentro do meu curso eu sinto que falo com todo mundo e todos os grupos, mas não pertenço a nenhum. E no fim as pessoas com quem saio sao brasileiros… Moral da historia, acreditei que college fosse me dar oportunidade para fazer amigos, mas na realidade nao foi bem assim. Mas fiz bastante conhecidos.

Outras coisa que pesa é nao saber como as coisas funcionam aqui. Ao contrario de quem chega imigrante e tem que resolver tudo ao mesmo tempo e rola um overdose de coisas a serem feitas  + entender a cidade, eu pude ir com calma nesse aprendizado. E mais, meu curso me deu muita informaçao util pra quem nao é daqui. Por exemplo, eu tive uma aula de segurança no trabalho que me apresentou o CSST e como funciona. Ou seja, qualquer acidente de trabalho que aconteça o CSST cobre, se você precisar se ausentar do trablho por isso explicaram como eles calculam o salario etc etc. Posso nao saber tudo de cor, mas ja sei onde ir pra perguntar. Minha aulda de RH falou de curriculo dos e donts e cover letter mas isso voce acha na internet. Falamos sobre perguntas ilegais que você podde recusar a responder porque não sao pertinentes ao cargo ou que podem ser descriminatoria. Falamos das unions que sao como sindicatos e que tem um peso enorme aqui. Elas fazem contratos com as empresas em nome dos funcionarios (qualquer cargo de supervior pra cima nao esta coberto) determinando TUDO, carga horaria maxima, carga de trabalho, como promover alguem, direitos etc etc. E isso vai pesar qnd voce quer ser promovido. Pois a union sempre da prioridade pra quem temmais tempo de empresa. Ou seja, fulano pode nao ser muito bom ou o mais competente para ser promovido, mas ele tem 20 anos de empresa e quando tiver uma oportunidade de promocao ele sera a primeira opcao. Esses agreements mudam de empresa pra empresa mas essa da senority é cliche. Logo, sabendo disso ja sei que as promocoes vao demorar, na hora de fazer horario o ulltimo que chegafica com menos horas, quem tem senority pode escolher dias de folga, os horarios etc etc. Ja não vou ficar surpresa com isso. Tambem tive aula de law que eu uma geral muito boa em varios assuntos. Sei que contrato verbal aqui tambem conta, que contratos podem ser cancelados se você provar que você foi forçado ou intimidado a assinar (por examplo, com uma arma na cabeca), que contrato de aluguel de casa renova automaticamente, que video nao conta como testamento em caso de morte (historia engracada), que se não casar, mesmo depois de 40 anos juntos, o conjuge nao tem direito aos bens depois da morte do outro conjuge.

Outra aula que me ajudou muito eh a da frances esse ano. Eles dividiu as regioes do Quebec e cada um tinha que apresentar pra turma. Quem diria, tem 21 regioes dentro do Quebec! Pelo menos ganhei uma nocao da provincia como um todo. Mas o que me falta mesmo é entender as divisoes de Montreal e redondesas… Falam muito da West Island (que eh pra onde tem o aeroporto), South Shore (que pelo o que eu entendi é fora de MTL, Brossard etc depois do ponte rs) e volta e meia falam um lugar e eu fico… ah ta…… (????) E é esquisito porque nas aulas é tudo muito local e nem sempre os exemplos dos profs fazem sentido pra mim. Tem empresa que eu nao conheco. É tipo eles dando falando da Mesbla (quem lembra ?  rsssss). Sinceramente eu ouvi muito dessa loja quando eu era crianca, nem sei se cheguei a entrar nela, ela faliu. Mas se alguem falar dela acho que nao ia ficar tao perdida. Ou mesmo usar a Varig como exemplo. Enfim, eu fico por fora. Isso éporque eu ainda nao tive ue falar de celebridades canadenses hahaha. Quebecois entao…..

Do meu ponto de vista, o inverno é o de menos. É frio, mas só na rua e quando eu entro eu ate esqueço. O que pesa mais pra mim é o dia curto e a falta de sol. Dezembro aqui ficou dias sem fim nublado e cara de chuva. O dia super curto com o por do sol pelas 16h e o pouco e luz solar que a gente podia ter ficou coberto por nuvem. Isso semana a pos semana comecou a me incomodar. Acho que posso ousar dizer que prefiro -30C ao fresquinho que tava porem nublado. Me de sol, mesmo que com o frio. Entranos no horario de verao no fds passado e eu adoro (mesmo tendo sido uma transicao dificil fiquei com os horarios tudo trocado). Literalmente de um dia pro outro o sol se poe depois das 18h =D

Quanto a preconceito por ser imigrante eu ja senti uma leve vibe numa entrevista de emprego. Foi e nao foi preconceito. Eu tive a sensacao que minha experiencia fora não conta. Eu ja trabalhei em hotel e a pergunta dela foi assim “entao voce nao tem nenhuma experiencia em hoteis….. em montreal” e isso me incomodou pq me deu a sensacao que se nao for aqui nao conta. Mas se todo mundo for pensar assim como é que se consegue a experiencia aqui???? ora bolas! U_U e outra que me incomoda muito é quando meu namorado diz que “é coisa de imigrate”. La estava eu linda olhando floquinhos de neve de perto tão lindinhos e ele me disse “ça fait tellement immigrant” (ah isso é tao imigrante) eu nao acho que ele fala por mal, acho que faz mais pra implicar mesmo, mas mesmo assim… De forma geral eu acho que os quebecois são bem tranquilos com imigrantes. Na verdade eu acho que são os outros imigrantes que trazem seus preconceitos, assim como nos trazemos os nossos. Não que os quebecois não tenham preconceitos, mas eu acho que eles ja crescem numa cidade tão multicultural que acho que eles crescem mais receptivos, eu imagino.

Acho que o post ficou muito cheio de ideias soltas em cada paragrafo, mas é que eu tenho um monte de coisa em mente e esta tudo bagunçado rs mas o que eu quero dizer é que aqui não é um paraiso apesar de ter uma qualidade de vida bem melhor. Se você pensa mesmo em vir pra ca foque na lingua. Sem ela você se enrola pra fazer todas as outras coisas. Pesquise bastante! Porque quanto mais voce souber antes de vir mais facil fica quando voce chegar aqui. E saiba que tem umas coisas que são bem pessoas. Umas pessoas se integram melhor, cada um sente falta de uma coisa, uns se sentem em casa mais rapido, uns sentem muito. E se vier e ver que isso nao é pra voce, volte e busque o que te faz feliz. Nao tem pra que ficar infeliz aqui. Canada não é para todo mundo, imigrar não é para todo mundo e ninguem é menos por isso.

Eu adoro o Canada, gosto muito de Montreal, mas tenho meios receios quando algumas politicas do Quebec. E o sistema de saude daqui me assusta. Volta e meia tem umas historias loucas no jonal de pacientes que tiveram problemas. Do nivel que vi uma materia de pessoas cruzando a fronteira pra ir numa clinica em Ontario e falando como o tratamento la é muito melhor. Aqui você espera demais, os medicos fazem pouco caso e parece que eles evitam fazer testes mesmo você precisando ser dianosticado… Nisso outras provincias parecem melhores, sem contar a ausencia do frances 😉

Pra onde eu iria? Não sei…

Ela

En français svp, LaSalle!

Eu estou estudando no LaSalle College desde janeiro e acabou que nunca postei muito sobre o assunto aqui no blog, mas fiz um comentário na pagina do facebook outro dia sobre uma de minhas aulas. Estou num curso de gestão de hoteis e a gente vai aprendendo sobre todos os setores. Agora no segundo semestre a gente tem uma aula sobre restaurante no restaurante. Acho mo interessante que a gente vai no restaurante e faz um rodizio nas funções, como por exemplo: garçom, pantry, runner, maitre D, assistente de maitre D. E na cozinha tá o povo do curso de culinária! O restaurante é aberto ao publico dai eles cozinham e a gente serve! É uma aula 100% pratica pra ambos os cursos (ok a gente teve 2 semanas de sala de aula pra aprender o básico).

Eis que hoje a coordenadora do curso passou la quando a gente ainda estava arrumando as coisas pra nos avisar o seguinte: alguém foi lá e não teve o serviço em francês. Só que não para por ai não! A pessoa se deu ao trabalho de escrever pro jornal Le Devoir pra reclamar!! O artigo saiu ontem. A escola escreveu uma resposta, mas eles não publicaram… E ainda um radio entrevistou a coordenadora sobre isso. Ela explicou que o restaurante é uma sala de aula e que o colégio oferece os cursos tanto em francês quando em inglês e se o aluno se inscreveu para um curso em inglês eles tem que oferecer o curso em inglês. E tambem lembrou que o restaurante não tem acesso pela rua e quem vai la tem que entrar no colégio (e ver que é um colégio) pra chegar no restaurante. Mas ai ela lembrou pra gente que o é aberto ao publico e no Quebec tem a lei de que os serviços tem que ser prestados em francês e mimimimi. Dai se você fala francês otimo, se não peça ajuda ao professor. Tambem pediu que recebêssemos as pessoas em francês “bonjour” mimimi e trocar pra Inglês depois e pouco depois brotou uma placa na entrada lembrando que se trata de estudantes e tal. Ironia ou não a placa ta só em francês xD

Daí é isso. Uma tempestade em copo d’agua por causa disso (aaah ela falou exatamente isso em francês hehehe “une tempête dans un verre d’eau“). Achei a pessoa muito ofendida e eu não consigo entender o drama. Pode falar quantas vezes quiser que é a historia do Quebec e dessa coisa de preservar a língua francesa, mas é em momentos assim que toda aquela historia de tolerância que eles vendem vai por água a baixo (que nem aquela do estado laico que as pessoas do setor publico não poderiam ter/vestir/mostrar nada que fosse ligado a religião) e nem vou falar dos comentários desse artigo… Será que uma pessoa assim consegue entender que se o aluno é de fora do Quebec e do Canada vai levar um tempo pra chegar num nível comunicável de francês (e ingles tambem). E, sim, eles tem aulas de francês.

#coisasdequebec

*Aqui o texto no Le Devoir.

Ela

Fui no Hotel de Gelo

Eu já tinha ouvido falar desse hotel na TV nesses programas meio Discovery Channel ou viagem no mundo, mas acho que perdi a parte que ele era logo ali em Quebec! Quando descobri isso ele entrou pra lista! Fiz o passeio domingo e adorei!Ele não parece ser muito longe do centro, mas meu conhecimento da cidade de Quebec é muito pouco pra poder analisar só sei a parte turística ali perto do Frontenac rs Fiquei surpresa que você paga pra visitar. Mas depois eu pensei que é mais turístico do que hotel e não sei se muitas pessoas realmente dormem la. Até porque durante a volta no hotel a gente meio que teve acesso aos quartos sem problemas (dai vem a questão segurança e privacidade) e é um hotel sem muita coisa. Assim as construções de gelo são muito legais, o bar, a igreja, o spa e as suítes. Mas eu não vi banheiro =X ou algum lugar pra comer o quarto so tem cama e talvez um banquinho. nada de armário, nada de tv, nada de wifi (posso esta errado sobre o ultimo) e acho que em tomada. As portas dos quartos são cortinhas dai não sei se da pra se entreter de outra forma com seu companheiro/a rsss. Alias o gelo é isolante térmico, mas será que ele é isolante sonoro ??? hahhahaha

A primeira porta que passei era de um pelo de bicho e la dentro eram os bares. Parecia boate. Tanto pela musica como pela luz ou pelos bares aqui e ali. Achei incrível que tinha uma lareira la dentro!!!! Confesso que as vezes duvidei se era gelo mesmo rs. Ah e os copos de gelo que vi na TV (alias eles vendem! Mas acho sem proposito comprar uma lembrança que vai derreter O_o ).  Algumas coisas eram gelo (pilaras, cadeiras, mesa alta, balcão e a base das camas) e outras eram neve (paredes, teto). Acho legal como eles tem umas suítes tematizadas e o jogo de luz tambem. Como uma imagem vale mais que mil palavras, vamos as fotos!

DSC05468DSC05423DSC05428 DSC05430DSC05450DSC05434 DSC05438DSC05448DSC05458 DSC05461DSC05462DSC05469 DSC05475 DSC05481 DSC05484DSC05517

DSC05501DSC05527 DSC05538 DSC05539 DSC05540 DSC05542DSC05545 DSC05547 DSC05559

Fiquei surpresa com o comodo de Frozen, a ultima animação da Disney.Tinham os personagens na parede e o boneco e o monstro constuidos e um escorrega de gelo. É legal porque eu li que o pessoal da produção visitou o hotel pra fazer o filme ^^

DSC05563DSC05566 DSC05569DSC05564 DSC05570 DSC05572

 

Pra mim valeu super a pena! Adorei! Muito interessante! E não é tão longe (3h de carro/bus) nem tão caro (20$ pelo tour e 18$ pelo hotel). Recomendo

 

Ela

Noticias sobre a imigração de 2014

Acabei de ler 2 noticias falando do programa da imigração 2014 e anos seguintes de forma completamente diferente! Um é sobre o Quebec e o outro é federal. Advinha qual dos 2 faz você ficar preocupado em não conseguir imigrar…

Pois bem, a noticia de Quebec é do Le Devoir e se intitula “Immigration – Québec révise à la baisse ses cibles d’accueil” (que se traduz “Imigração – Quebec rebaixou sua meta de acolhimento” com a ajuda do meu amigo Google Tradutor rs). E não preciso dizer muito. O governo de Quebec acha que tem muita gente vindo e quer diminuir a meta. Sempre muito simpáticos. #sqn

A outra noticia é do OiToronto  ” Governo anuncia novo programa de imigração e recordes de recém-chegados para 2014” falando do federal. O texto ja começa com o clássico ‘o crescimento econômico continua sendo a prioridade’.

“Assegurar o crescimento econômico do país é, e continuará sendo, a prioridade do governo,” disse Chris. “O Canadá está competindo globalmente para atrair os melhores e mais brilhantes imigrantes, e esse novo plano foi criado justamente para atrair as pessoas de que o Canadá precisa para crescer.”

Então mesmo que Quebec feche um pouco mais as portas o resto do Canada continua dizendo que precisa de gente. Só que eles estão esperando quebrar recorde com o Canadian Experience Class (CEC) ficado em quem tem pelo menos 1 ano de experiencia profissional no Canada e no Provincial Nominee Program (PNP) que cada província tem seu critério (Quebec não tem esse programa nem Nunavut. Mas quem quer ir pra Nunavut ne verdade rsss).

E agora uma fotinho da OiToronto mostrando em azul claro pra onde vão os PNPs.

Eles tambem mencionam o Expression of Interest (EOI) que deve ser lançado em 2015. Eu ja ouvi falar disso não sei quando. A OiToronto explica o EOI como 2 passos. 1) Mostrar interesse eletronicamente e enviar suas informações de experiencia, habilidades, nivel de idioma etc. Aí eles triam todo mundo que se inscreve e os que passarem nessa triagem vai pra uma lista. 2) Aí os melhores candidatos, incluindo aqueles com melhores demandas ou ofertas de trabalho Seriam convidados pelo CIC para aplicar pelo visto. Os outros que não fossem selecionados depois de um certo tempo seriam removidos da lista. E pronto. Um dos objetivos é diminuir ao máximo o tempo processamento.

Eu não vou comentar do Live-in carergiver porque eu acho muito especifico, mas ta la no texto.

Pra mim o Quebec parece menos simpático agora rsss, mas o federal faz cara de feliz, diz que continua precisando de imigrantes, um marketing básico, mas de uma forma ou de outra esta fechando a porta tambem, só que para abrir varias janelinhas. Eu acho que vale dar uma olhada nas outras possibilidades… Falando nisso, como anda Manitoba?

Ela.

A escola – parte 2 Montreal

Continuando o assunto  colégio….

Eu comentei do colégio de Toronto no post anterior. E tambem tem a EF em Vancouver de quando eu fui em 2008 e não comentei aqui ainda. Mas essas duas se parecem bastante e eu recomendo as duas.

Aqui a escola onde estou estudando (na verdade estava – eu vim num programa de estudo + trabalho e agora to correndo atrás da segunda parte rss, mas isso é outro assunto…) se chama ALI – Academie Linguistique Internationale. Antes de vir eu vi nos por aí da internet que é um bom colégio. Já discordo ai. Não acho um bom colégio. Mas todo mundo diz que é o mais barato (pelo menos daqui de Montreal). Mas não to dizendo que é um colégio péssimo, tambem não é assim. Só que esse é o meu terceiro colégio de intercambio e eu curti mais os outros 2 (que citei ali em cima)…

Pontos Positivos!

  • É bem localizado. Perto do metro (tanto da linha verde como da laranja) e perto do lado bão da St Catherine (rua de todas as lojas).
  • Eles ensinam inglês e francês e você pode mudar de lado (nãoo tempo todo, mas pode rs)
  • Acesso livre aos computadores (bom, pra quem não tem muito como se comunicar com a familia)
  • Os profs de francês são em sua grande maioria da França (pra mim isso é positivo porque é o francês standard)

Pontos Negativos!

  • As aulas tem um ritmo chato #prontofalei Parece colégio com provinha toda semana e se você não der sorte com o prof a aula é chatinha mesmo.
  • Cada nível dura um mês e são 8 no total (vou falar disso mais pra frente)
  • Eu achei os livros carinhos (eles são pra 2 meses) e talvez mal utilizados (eles dão mt papel de complemento as vezes – po se o livro é ruim então troca né)
  • Banheiros. Esse ponto pode parecer besta e não tem nada a ver com a aula, mas pra um andar inteiro de estudantes só tem um banheiro apertado com 2 cabines. Mijar é preciso!

O que eu posso dizer é que eu já ouvi de outras pessoas que eles tambem não curtem a ALI. Eu particularmente não gosto do método deles de um nivel um mês. Eu acho que em 8 meses não da pra aprender uma língua. Eu sei que o fato de estar na cidade “cercado” pela lingua ajuda e muito (só que Montreal é bilíngue e é moleza escorregar pro inglês. Falo por experiencia) mas se alguém aprender bem francês com eles do nível 1 ao 8 é muitíssimo mais mérito da pessoa do que da escola.

Com parando as 3 (SOL de Toronto, EF de Vancouver e ALI de Montreal) o ritmo da aula era mais dinâmico e interessante na SOL e na EF. As duas tinham um ambiente agradável. Gostei muito dos professores e adorava que junto com o inglês eles acabavam te ensinando tambem a cultura. No meu ultimo mês lá eu aprendi a falar “treco”, “coisa”, “budega” =) Eu acho isso legal porque a estrutura da lingua você pode aprender no Brasil num cursinho que da no mesmo. Eu acho que o colégio aqui tem que te dar um plus, algo que eu não conseguiria ter no Brasil. Claro que a gramatica eles dão, mas eu treinei pronuncia, tentei falar trava língua, aprendi vocabulário e alguma coisas da cidade, da vida aqui. Pra mim super valeu! E tanto na SOL como na EF você fica no nível até a prof sentir uma melhora (mas você pode pedir pra mudar tambem). Na ALI eu acho tudo mundo grande e distante. Primeiro porque é prédio tem a recepção, refeitorio e computadores no primeiro andar e as salas no 8 (ou no 4). Depois que tem muito brasileiro! E muito venezuelano! E de forma geral muito latino! Impossível não escutar espanhol e português. Quase não vi gente de outras nacionalidades e quando vi eles geralmente estava no lado do ingles. Ah e essa coisa de lado! Eles dividiram um lado do andar pra inglês e outro pra francês e o horário é feito pra esses dois grupo não se encontrarem! E por algum motivo eu achei que os próprios alunos ficam em grupinhos…. Meh não curti.

Depois que eles dividem as aulas em habilidades, gramatica e conversação. Eu não sei de que serve habilidades ate hoje. Gramatica é importante porque Francês é uma língua chatinha latina que nem o português e os verbos me matam – ou melhor, eu quero matá-los! E conversação é teoricamente pra fazer a gente falar e usar o que a gente viu em gramatica. Tirando um prof que foi excelente e olha que eu tive ele em gramatica, ou outros eu achei mais ou menos. E tambem teve um prof de conversação que eu gostei. Mas é o tipo de aula que de forma geral você quer faltar. E esse esquema escola, provinha, recreio, passar de ano é mo desanimo. Mas a gente leva. O curioso é que foi na ALI onde eu vi muitos casais e pessoas que estão mesmo interessada em imigrar isso se já não estão no processo. E tambem achei a faixa etária um pouco mais alta. Diria que muitos entre 20 e 30 e quando apareceu alguem de 17 era meio que o bebe da turma. Ja na SOL eu acho que a média de idade era mais pra 20 e poucos e na época que eu tava na EF em 2008 era muitos adolecentes, 16, 17, 18, 19. E os europeus que tinham lá seus 25 ficavam sendo os mais velhos.

Uma coisa que eu acho é que na ALI a parte de inglês tem mais curso, mais produtos. Alem do curso normal eles tem preparatorio pra TOEFL e outro pra IELTS, eles tem aulas de business, hot topics (assuntos da moda como conversação), movie, TKT (curso para prof de ingles como segunda lingua e UCP (University and College Preparation – prepratoria de 2 meses pra vida universitçaria, como fazer essays e escrita, leitura, pesquisa nos padrões daqui), bible class (alguma coisa com o texto da bíblia e religião. Não é obrigatório e é depois do horário de aula) e sei la mais o que que eu não vi.

No lado do francês você pode escolher somente nos níveis 5 e 6 entre DELF e français des affaires e ainda assim eu achei mais ou menos. Eu acho que o TOEFL é levado bem mais a sério e o francês de negócios é basicamente voltado pra currículo e entrevista e até agora não achei que foi util de verdade. Sei la…. Eu fiquei com a impressão que as aulas no lado do ingles são mais divertidas, mais dinamicas, mais variadas… Não posso falar do curso normal, mas eu fiz um mes de TKT e eu acho que foi muito mais valido do que meus 3 meses de francês. Mas quando eu cheguei no nivel 7 eles mudaram o ritmo e deram um livro pra gente ler (Stupeur et Tramblent, curti =D ) e conversação ficou em projetos de coisas pra apresentar e eu nem achei chato xD e a primeira aula, habilidades, continua sendo um mistério…

Enfim eu to de birra com eles porque eu esperava mais, ainda mais porque me disseram que era um bom colégio… Em infra-estrutura sim (menos os banheiros!), mas em aula e progressão…. eu não percebi ainda a minha progressão…

Moral da historia: se você prefere preço pode vir. Se você prefere qualidade… keep looking.

Ela

Mas o que é Skilled Work Experience pra imigração?

Pra quem ta chegando agora no mundo a imigração eu acho super valido ler o texto da CIC News que define o que é a tal da experiencia como Skilled Work.

Basicamente o os canadenses tem dados de tudo quanto é peido coisa de forma super categorizada. Logo, eles tem uma lista de todas – sim, todas – as profissões existentes no país e essa lista se chama the National Occupation Classification (NOC). E dentro da lista as profissões são divididas nos seguintes niveis:

  • 0 level – Managerial jobs – Gerencial
  • A level – Professional jobs (usually requiring a university degree) – Profissional/universitário
  • B level – Technical jobs (usually requiring post-secondary education, apprenticeship or 2+ years of on-the-job training) – técnico
  • C level – Semi-skilled jobs (usually requiring completion of secondary school and limited training) – nível médio
  • D level – Unskilled jobs (no formal educational requirements, possible limited training) – sem requerimentos
*Bom, se a tradução ta errada pode falar nos comentarios que eu corrigo, mas eu acho que é basicamente isso.

Daí que quando os oficiais de imigração se referem a Skilled Work eles estão de olho nos níveis que o NOC chama de 0, A ou B. Isso sem contar a lista de profissões elegiveis pra imigração – que vai mudando e mudando. No processo Federal, as 24 profissões elegiveis estão dentro dos niveis 0, A e B. São basicamente algumas profissões ligadas a medicina, engenharia, fisioterapeutas, oceanografos etc. E no processo de Quebec a maioria das 146 profissões tambem estão dentro dos níveis 0, A e B. OBS: a tabelinha do link de quebec já diz a pontuação de cada profissão 😉 E só tem 4 profissões com 16 pontos…

Depois isso você tem que provar expercienca com diplomas, carta de referência de empregadores, certificados e o que mais for possivel.

 

Então se você ta começando agora corre lá.

 

Ela

 

Visita a Cidade de Quebec

Se por um lado Ottawa não mudou minha vida, a cidade de Quebec é uma gracinhaaa e eu quero super voltar lá! Essas duas cidades eu conheci na velocidade de um relâmpago em apenas um dia.Nem dormi nelas. De Ottawa eu ja postei fotos (não tinha o que dizer sobre a cidade rs). Mas a Cidade de Quebec merece um post =)

Quando a gente estava chegando o guia começou a contar a historia. Entre uma pensada na vida e olhar pra paisagem eu eu confesso que perdi uns pedaços hehehe, mas achei super bizarra a parte que eles queriam aumentar a população numa época em que a população de umas 700 pessoas dos quais 600 era homens (ou qualquer coisa assim). Daí a brilhante ideia do rei foi mandar mulher pra lá. Tã dã!! Reza a lenda que escolheram as mulheres bonitas pra mandar pra lá. E quando elas chegaram mal tinham saído do barco já estavam casadas – uma loucuraaa! E como mandar mulher pra cá e casar não é o suficiente ainda teve um outro incentivo: quanto mais filhos, mais terras! Então famílias com 20 a 30 filhos era suuuper normal xD Devia ser uma ceia de natal muito louca né! hahahaha E, na boa, pra ter tanto filho assim acho que essas mulheres nunca menstruaram né, fala serio! rsssssssssssssssssssssssssss

E os filhos das mulheres mais bonitas eram super gatos e gatas e isso explica a beleza do povo da cidade. O guia implorou pra gente não se apaixonar durante a viagem. Porque  isso já aconteceu antes. Uma menina ficou pra traz e quando ele a encontrou de novo ela tinha 23 filhos!! hahahahahaha xP Mas, de boa, super facil achar gatinhos e gatinhas na cidade. #mitoconfirmado

Primeiro fomos nas Cataratas de Montmorency – que é mais alta que a do Niagara – e depois voltamos pra cidade almoçaos, tempo livre, caminhada no velho porto e casa.

Antes de postar as fotos preciso dizer do meu erro grave. Sexta feira fez um calor Brasil aqui em Montreal com seus 32 graus . Era abrir a porta de qualquer lugar e receber aquele bafo quente na cara. Eram meninas de shortinhos curteeeerrimo pra um lado e meninos com os braços de fora pro outro. Daí que quando eu vi 26 graus pro sábado eu imaginei calor e fui de shortinho (como na sexta) e uma blusinha verão pra Quebec. Aconteceu que to tempo é louco e fechou e de quebra tava ventando muuuito  (ou la sempre venta muito?) na cidade. Quis morrer. Eu, assim como outras pessoas, comprei casaco ja na primeira parada (as cataratas) porque frio, vento e umidade é tenso demais pras minhas peras nuas e meus braços de fora hahaha Foi um passeio congelante. E eu queria muito saber qual era a sensação termica de sábado porque até ~fumacinha~da boca saiu! Vamos as fotos rs

DSC02366

DSC02393

DSC02397

DSC02408

DSC02410

DSC02442

parece uma maquete! *.*

DSC02446

Essa pintura é muito legal. Não sei se da pra ver, mas tem elementos do passado e do presente. Pessoas de agora e do passado. E as quatro estações #amei

DSC02459

DSC02460

DSC02496

DSC02518

DSC02524

DSC02551

Vou te falar que essa rua me lembrou Paraty no Rio. Claro que eu achei aqui mais pintado e mais cuidado, mas super lembrou

DSC02553

Eu já imaginei que fosse gostar mais de la do que de Ottawa porque todo mundo diz que é uma gracinha e mimimi. Mas é verdade!!! Super gracinha Quebec City. Alias super me fez pensar sera que eu moraria la?? Quem sabe!

Ela